Marker
relógio Seg a Sex dàs 7h às 22h - Sáb dàs 7h às 12:30h
(51) 9 9833-8006
(51) 4100-2513

Depressão na Adolescência

Categoria: Adolescência, Doenças e Transtornos

Esteja atendo ao transtorno depressivo na adolescência!

Assim como a infância, a adolescência é uma fase do ciclo vital de suma importância. É nela onde ocorre a construção da personalidade do indivíduo. É o período do desenvolvimento onde acontece a busca da identidade e dos interesses. No ambiente escolar, a necessidade em querer se parecer com os colegas é muito presente. Muitas vezes como uma forma de aceitação para inserção no grupo de iguais.

A adolescência é um momento desafiador tanto para os responsáveis quanto para o próprio adolescente. Este, perpassa pelas mudanças físicas e psicológicas influenciando no questionamento de valores e regras sociais. O desejo em conquistar a independência caminha concomitantemente com a dependência familiar. Ou seja, há presença de comportamentos mais infantis e ao mesmo tempo a manifestação do querer a liberdade e autonomia da vida adulta.

As exigências sociais e psicológicas impostas pela fase do adolescer promovem mudanças significativas no ser humano; preparam a formação do indivíduo bem como o enfrentamento das adversidades que a vida coloca diante das experiências. Por estar em um momento de construção podemos dizer que a adolescência é marcada pela vulnerabilidade do ser humano.

Primeiramente, diante da intensidade e dificuldade do jovem em lidar com as mudanças e sentimentos, é importante ficarmos atentos em relação à possibilidade do desenvolvimento de um transtorno depressivo. A depressão pode ocorrer em todas as fases da vida e sua característica principal é a alteração de humor. A partir do momento em que se observam reflexos de prejuízo no funcionamento social, escolar e em outras áreas importantes da vida, é preciso buscar ajuda profissional.

O transtorno depressivo na adolescência apresenta algumas características sintomáticas. Entre elas estão o humor depressivo ou irritável; a falta de concentração; a alteração no sono e/ou apetite; sentimentos de culpa ou inutilidade; diminuição de interesses; isolamento social; decadência escolar; cansaço e até mesmo pensamentos suicidas. Este último sintoma quando for percebido deve ser valorizado e encaminhado ao profissional o mais breve possível.

É importante salientar que esses sintomas isolados não caracterizam a depressão, ou seja, deve ser observado um conjunto de sinais que o adolescente apresenta, bem como sua intensidade e frequência. Nesse caso, indica-se a avaliação de um profissional de Psicologia para mapear as forças e fraquezas, diagnosticar e indicar o tratamento adequado.

A irritabilidade e a tristeza são tipos de sintomas presentes na depressão, porém isso não significa que todo o indivíduo que manifesta esses sintomas seja acometido pelo transtorno.

A irritabilidade é um descontrole emocional e podemos dizer que é uma reação exagerada em relação a incômodos. Na depressão, uma pessoa constantemente irritada mostra uma ira persistente por coisas sem importância. No que tange a tristeza, faz parte da experiência normal do ser humano. Ela tem uma causa relacionada com um ou vários acontecimentos, como por exemplo, uma desilusão amorosa, perda de emprego ou morte de ente querido. Já a tristeza na depressão, não precisa de nenhum motivo específico que lhe cause esse sentimento.

Segundo a ABRATA, Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Transtornos Afetivos, “A tristeza e a irritabilidade, por si sós, são estados emocionais saudáveis, pois pretendem nos informar de que existe algo que nos incomoda e que está nos prejudicando. Eles somente se transformam em patológicos quando distorcem as nossas vidas e deterioram demasiadamente as nossas esferas sociais e profissionais durante muito tempo”.

Os fatores que desencadeiam a depressão são biopsicossociais. No que se refere ao biológico, fatores genéticos ou hereditários, pode haver uma provável disfunção nos neurotransmissores devido à herança genética. Quanto ao aspecto psicológico, destaca-se a falta de autoconfiança e baixa autoestima, bem como vivências adversas (perdas importantes, abuso físico ou sexual). Na esfera social está a inadaptação social devido a valores culturais, familiares, escolares, ou outros.

Algumas experiências no desenvolvimento da vida podem ser consideradas como riscos para o surgimento da depressão. O abandono infantil, a agressão verbal, psicológica ou física, o controle excessivo vivenciado, a falta de estímulos para demonstração de afeto e a falta de atenção aos interesses do adolescente podem trazer prejuízo e fragilidade emocional.

Conforme a Organização Mundial da Saúde, estima-se que em 2020, a depressão seja a maior causa de incapacidade humana, somente sendo superada pelas doenças cardiovasculares.

A depressão não é brincadeira, ela é silenciosa e qualquer pessoa pode ser a sua vítima. Na adolescência os seus sintomas podem se confundir com as características específicas dessa fase vital. Por isso, é preciso observar até que ponto os sintomas presentes causam prejuízos na vida do adolescente.

Como ajudar um adolescente com depressão?

Aproxime-se dele e de seus amigos, procure dialogar de forma aberta e constante. Buscar conhecer sobre as tecnologias também é um exercício que pode ajudar; estar atento aos conteúdos que interessam o adolescente no mundo virtual; estabelecer limites e regras claras; conhecer sobre o transtorno também irá te possibilitar uma melhor compreensão acerca dos sintomas. Assim, poderá evitar os julgamentos em relação aos comportamentos do indivíduo com depressão.

Se você conhece algum amigo ou familiar que está passando por uma situação parecida, em sofrimento psíquico, indique ou procure a ajuda de um psicólogo. A depressão é um transtorno multifatorial de extremo sofrimento para o indivíduo e para a família. O papel da psicoterapia é fundamental no tratamento desses pacientes e no fortalecimento da rede de apoio do adolescente. Assim, a família, amigos e escola, mobilizam relações mais satisfatórias e maior qualidade de vida. Os relacionamentos e a percepção de apoio e acolhimento assumem um importante papel nessa fase do ciclo vital.

Por Amanda Hasse – Psicóloga da Equipe Psicotér

 

Se você convive com um adolescente e ele apresenta os sinais descritos acima, procure um psicólogo para uma orientação especializada.
Entre em contato conosco através desse link para uma avaliação gratuita com uma psicóloga para avaliar a necessidade de uma psicoterapia.
Gostou? Compartilhe:

Leia Também

Comentário Fechado

Contato e Endereços

Para facilitar o seu atendimento, a Psicotér atende em diversas localidades de Porto Alegre. Veja no mapa qual o endereço mais próximo de você e ligue para agendar sua primeira consulta gratuita!

(51) 4100-2513
(51) 9 9833-8006
Fale conosco
Se preferir, preencha os campos abaixo e entre em contato para agendar sua consulta: