Marker
relógio Seg a Sex dàs 7h às 22h - Sáb dàs 7h às 12:30h
(51) 9 9833-8006
(51) 4100-2513

O que são Pensamentos Intrusivos, Tipos, Sintomas e Como Lidar com Eles

Publicado em 12 de agosto de 2021
Categoria: Ansiedade, Comportamento
O que são pensamentos intrusivos

Nosso cérebro está constantemente trabalhando, formulando novos e diferentes pensamentos, e na maioria das vezes nós nem mesmo tomamos consciência de todo esse intenso fluxo dos nossos raciocínios.

Alguns pensamentos são inofensivos, simples e corriqueiros, porém alguns podem ser assustadores, incomuns e podem colocar em cheque nossa saúde física e mental.

Esses pensamentos além do nosso controle, que surgem espontaneamente e invadem nossa cabeça de forma difícil de afastar, recebem o nome de pensamentos intrusivos.

Criamos cenários, relembramos momentos, imaginamos diálogos e oportunidades: somos um inconsciente ativo. Podemos criar ou aumentar medos, apenas imaginando coisas que nem aconteceram. Ideias surgem de repente e não conseguimos esquecê-las mais.

Geralmente, esses pensamentos intrusivos obsessivos surgem em momentos onde nossa ansiedade está com maior intensidade, porém esse fator não é estritamente necessário para o surgimento dos pensamentos intrusivos.

Então, surge o questionamento: por que pensamos tanto no que não queremos pensar? O que são esses pensamentos intrusivos e por que os temos?

 

O que são pensamentos intrusivos?

Os pensamentos intrusivos, também conhecidos como pensamentos obsessivos, são descontroles, pensamentos inadequados que surgem em nossas mentes e não conseguimos afastá-los com facilidade.

Para a maioria das pessoas, os pensamentos intrusivos são apenas um inconveniente passageiro que elas conseguem ignorar sem maiores dificuldades.

Eles são pensamentos normais que ocorrem como forma do nosso cérebro interpretar riscos e se preparar para situações de perigo.

Certamente todos nós já experimentamos, em diferentes graus, algum tipo de pensamento intrusivo. Às vezes eles podem se manifestar como aquele famoso “já pensou se…” e vários pensamentos absurdos surgem.

Por exemplo, ao segurar algo de grande valor pensamos “Já pensou se eu deixo isso cair e quebrar mil pedacinhos!”, ou “Imagina se eu subir naquele palco, tropeçar e cair na frente de todo mundo!”.

Nem todos pensamentos intrusivos são perigosos, mas quando esses pensamentos são em sua esmagadora maioria negativos eles podem estar ligados a um medo ou experiência negativa, como um trauma que não foi processado.

Esses pensamentos obsessivos em grande frequência podem ser relacionados à ansiedade, já que procuram antecipar situações, podendo gerar preocupações desnecessárias e nervosismo.

O estresse e pensamentos negativos podem se misturar na sua cabeça e fazer uma bagunça dos seus pensamentos, dominando qualquer outro espaço com possibilidades e fantasias que causam mais estresse.

Por isso é tão difícil manter esses pensamentos intrusivos sob controle. Parece que, quanto mais tentamos nos concentrar em não tê-los, mais facilmente eles aparecem. E quando estamos sob estresse, eles surgem com maior facilidade.

Então vamos respirar e pensar juntos: todos somos fisgados por pensamentos inesperados que às vezes grudam na nossa cabeça. Estamos sujeitos ao descontrole do pensamento.

Esses pensamentos intrusivos em geral abordam temas sensíveis ou polêmicos, de origem sexual ou violenta, é comum que as pessoas sintam vergonha e não contem para médicos ou outras pessoas.

Precisamos exercitar o lembrete que os pensamentos intrusivos são apenas isso: pensamentos. Não devemos viver de fantasias e imaginações, pois elas não retratam a realidade.

Quando você se sente pressionado pelos seus pensamentos, às vezes é bom questioná-los “será que não estou exagerando?” e lembre que não é porque foi pensado, que será realizado.

Um hábito importante para conseguir desconstruir os pensamentos intrusivos é o questionamento desses pensamentos. São ideias reais e possíveis ou exageradas e fantasiosas? Quais as chances desses pensamentos se concretizarem?

Como lidar com pensamentos intrusivos

 

É normal ter pensamentos intrusivos?

De forma geral, todos nós temos pensamentos intrusivos, porém quando eles trazem ideias assustadoras, pensamentos violentos e preocupações excessivas, eles podem sinalizar que algo na nossa saúde mental não está bem.

Quando esses pensamentos obsessivos estão ligados a algum tipo de alteração mental, essa obsessão é mais perigosa e prejudicial, impactando na vida e bem estar da pessoa acometida pelos pensamentos intrusivos.

Porém, é importante ressaltar um detalhe: é impossível controlar absolutamente todos nossos pensamentos. É preciso lembrar que esses pensamentos não são necessariamente um reflexo do nosso ser.

Ao dar importância para esses pensamentos obsessivos, estamos de certa forma convidando o nosso cérebro a ficar remoendo esses pensamentos inadequados. E como falamos anteriormente, é preciso lembrar que nem todos pensamentos intrusivos são ruins.

Se você percebe que pensa frequentemente em certos problemas a fim de buscar soluções, não é necessário se preocupar. É normal que nossos pensamentos “andem em círculos” ao redor de uma questão a ser resolvida.

Porém, quando esses pensamentos repetitivos não vão a lugar nenhum ou causam sofrimento desnecessário, é um sintoma que esses sejam pensamentos intrusivos.

Prestar muita atenção nos pensamentos intrusivos apenas faz com que eles ocorram com maior frequência, o que causa mais ansiedade e por consequência nos coloca em um loop de pensamentos negativos.

Para evitar esse ciclo vicioso, temos que ficar atentos e identificar os padrões que disparam esses pensamentos intrusivos, assim como buscar ajuda profissional para tratar as ansiedades e possíveis traumas que estejam vinculados a eles.

Sabemos que esses pensamentos invasivos apresentam algumas características, como o fato de surgirem espontaneamente e em horas inoportunas e serem difíceis de descartar, bem como atrapalham a concentração.

Esses pensamentos na grande maioria das vezes não trazem soluções, apenas trazem preocupações e sensações ruins. São temores que geram mais inquietações, causando desconforto e ansiedade.

Dito isso, pensamentos obsessivos causam uma extrema autocrítica e apresentam interpretações terríveis sobre o que pode acontecer. É normal que, junto aos demais desconfortos, sentimentos como vergonha e baixa autoestima surjam também.

É comum que, ao ter pensamentos intrusivos, as pessoas tentem evitar as situações que causam o surgimento desses pensamentos. Essa é uma tática ruim para lidar com este problema, tendo em vista que não busca uma solução.

Ao identificar esses padrões, é fortemente aconselhável buscar a ajuda da psicoterapia para decidir qual a melhor forma de abordar um tratamento para os pensamentos intrusivos, priorizando a qualidade de vida da pessoa.

 

Sintomas de pensamentos intrusivos

Os sintomas dos pensamentos negativos intrusivos podem estar ligados à ansiedade,  depressão, Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC) e Transtorno de Bipolaridade.

Também é possível que seja um sintoma de Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT). Portanto, é fundamental buscar ajuda profissional caso esse sintoma esteja prejudicando a sua saúde.

Pensamentos invasivos obsessivos podem se manifestar de diversas maneiras, como vamos observar mais tarde:

  • Envolver o medo de se machucar, ou ferir outra pessoa, propositalmente ou não;
  • Fantasias perturbadoras e inadequadas, inclusive sobre atividades sexuais;
  • Pensamentos violentos envolvendo morte ou suicídio;
  • Pensamentos trágicos relativos a si mesmo ou conhecidos;
  • Preocupação constante com detalhes como trancar portas ou manter as coisas organizadas;
  • Repetição de rituais que trazem alívio após serem executados;
  • Medo excessivo de contrair ou transmitir doenças;
  • Necessidade exagerada de limpeza, organização e simetria.

Experimentar esses pensamentos em um grau menor não é motivo para preocupação. Porém, se são recorrentes e trazem desconforto, é necessário vencer a vergonha de admitir a sua existência e procurar ajuda profissional.

É válido também observar os outros sintomas que aparecem em conjunto com os pensamentos obsessivos, já que os pensamentos possam ser sinal de algum outro transtorno psicológico.

Exatamente por este motivo, a ajuda profissional de um psicólogo é tão indicada para o tratamento das questões que possam estar por trás das origens desses pensamentos obsessivos.

Não hesite em pedir ajuda ao sentir que você está tendo dificuldade em controlar seus pensamentos! Pense na sua saúde e trate os sintomas que estão trazendo angústia.

 

Tipos de pensamentos intrusivos

Os pensamentos intrusivos podem ocorrer de diversas formas. Como vimos anteriormente, nem sempre eles são negativos, mas podem causar desconforto e até mesmo prejudicar o cotidiano de quem sofre com eles.

De maneira geral, a forma de manifestação dos pensamentos invasivos pode ser dividido em três principais categorias:

Pensamentos agressivos

O pensamento agressivo é aquele que traz à mente imagens violentas e a pessoa pode se pegar imaginando que executa atitudes agressivas e violentas em entes queridos, ou em um desconhecido que senta-se ao lado delas.

Ter esses pensamentos não quer dizer, necessariamente, que eles serão executados. Porém ao imaginar essas situações acontecendo, a pessoa sofre um estresse ainda maior, facilitando o surgimento de novos pensamentos do tipo.

Pensamentos sexuais

São pensamentos que envolvem interesses e curiosidades sobre atividades sexuais. Podem ser tanto de natureza carnal, como questionamentos repetitivos sobre a sexualidade e orientação sexual.

Às vezes também podem ser pensamentos voltados à possível infidelidade dos parceiros, ou questionamentos excessivos quanto a sinceridade dos seus sentimentos. essa insegurança pode desestabilizar um relacionamento.

Pensamentos indesejáveis ou negativos

Pensamentos indesejáveis proporcionam uma série de sentimentos negativos na pessoa, como aflição e ansiedade. Assim, a pessoa pode passar a procurar evitar situações que acionam o gatilho de pensamentos intrusivos.

Entretanto, evitar situações de gatilho não resolverá o problema de pensamentos intrusivos caso esses tenham origens mais complexas, e a fuga dessas situações causará transtornos tão complicados quanto as sensações ligadas aos pensamentos.

É válido ressaltar que pessoas que já vêm apresentando um quadro de depressão podem apresentar pensamentos intrusivos com maior frequência, geralmente apresentando temas de natureza mórbida. É fundamental buscar tratamento.

Pensamentos intrusivos são poderosos porque eles “grudam” em sua mente e causam ansiedade e angústia.

Mas é importante lembrar que ter pensamentos intrusivos nem sempre significa que você tenha um problema. Eles são, como tantos outros pensamentos que você tem ao longo do dia, apenas pensamentos.

Se seus pensamentos intrusivos estão afetando no seu dia a dia, converse com um profissional de saúde sobre suas experiências. O tratamento pode ajudar a reduzir sua sensibilidade aos pensamentos e a reagir melhor caso eles ocorram.

 

Como lidar com pensamentos intrusivos?

Como já foi estabelecido anteriormente, é importante lembrar que esses pensamentos são apenas isso: pensamentos. Ou seja, não é porque o pensamento envolve sair correndo no meio de uma avenida que você vá de fato fazer isso.

O segundo passo é enfrentar esses pensamentos invasivos. Pergunte-se se você seria mesmo capaz de fazer o que imaginou, se isso teria alguma real possibilidade de acontecer. Dessa forma, você mesmo vai desconstruir essas ideias.

É indicado também fazer uso da meditação. Respire fundo e procure se concentrar no presente, no real e físico. Ao buscar a calma, você também vai conseguir silenciar esses pensamentos atordoantes.

Entenda que pensamentos negativos fazem parte da nossa vida. Nosso cérebro está constantemente tentando resolver problemas como forma de garantir nossa sobrevivência, portanto é normal que surjam pensamentos incômodos.

Impedir que pensamentos negativos apareçam, então, é impossível. É indicado buscar a ajuda da psicoterapia para que um profissional escolha o melhor caminho a seguir para desmistificar esses pensamentos que estão causando incômodo.

 

O que fazer para tirar pensamentos obsessivos?

Primeiramente devemos tentar manter a calma. Procure se lembrar das outras vezes que ocorreram pensamentos trágicos e que nada aconteceu no fim, e foque-se nisso: não é porque você pensou que isso vai se tornar uma realidade.

Busque descobrir quais são os gatilhos dos pensamentos. Todos temos pensamentos negativos e precisamos conviver com eles, mas se algum assunto causa desconforto e pensamentos cíclicos negativos, esse pode ser um gatilho.

Lembre-se que você não deve se sentir culpado pelos pensamentos nem mesmo pelos sentimentos provocados por eles. Dê-se tempo para que eles desapareçam, focando suas atenções em outras atividades.

Não é aconselhável tentar descobrir um possível significado para esses sentimentos, já que voltar as atenções para esses pensamentos pode causar mais ansiedade e, consequentemente, proporcionar pensamentos intrusivos.

Busque ocupar seus pensamentos com assuntos que tragam conforto e bem-estar, mudando o foco das coisas que possam aumentar o estresse e a ansiedade e envolvendo-se com temas mais agradáveis.

E, por fim, é importante buscar terapia, já que o pensamento obsessivo pode ser um sintoma ou consequência de um problema na sua saúde mental.

 

Como controlar pensamentos intrusivos?

Sabemos que os pensamentos intrusivos, quando surgem, tornam o raciocínio lógico mais difícil e abstrato. Organizamos, assim, uma pequena lista de dicas para enfrentar e controlar esses pensamentos:

Identifique quais pensamentos são intrusivos, e quais pensamentos são normais

Esses pensamentos são como um vício: ao focarmos neles, não nos abandonam. Faz parte do processo de tratamento dos pensamentos intrusivos entender que o problema não é a pessoa, mas sim a forma que ela lida com o pensamento.

Nem todo pensamento desconfortável que nos ocorre é, necessariamente, um pensamento intrusivo. Portanto, para conseguir controlar o que se passa nesses pensamentos, é importante dar os próximos passos.

Questione a lógica desses pensamentos

Os pensamentos que estão ocorrendo fazem algum sentido? São úteis? São pensamentos com verdadeiras chances de se tornarem realidade?

Não é porque ocorreu um pensamento catastrófico com uma pessoa querida que isso vá necessariamente ocorrer. É importante lembrar-se de outras situações que ocorreram esse “mau pressentimento” e não passaram disso, pressentimentos.

Encare esses pensamentos como nuvens passageiras

Lembre-se que, assim como uma nuvem que passa pelo céu não significa uma tempestade, um pensamento negativo não significa uma premonição que algo terrível está por vir.

Não evite pensar no pensamento, mas também não foque todas suas energias nele. Tire um momento para analisá-lo com calma, e depois siga em diante com as tarefas do seu dia. Não desperdice tempo e energia em uma coisa pequena.

Medite, saia para uma caminhada, ou foque em temas agradáveis

Manter-se com a cabeça cheia de boas coisas também é uma boa estratégia para lidar com pensamentos intrusivos. Melhor ainda se houver companhia: compartilhe sua preocupação com seus amigos, eles podem tranquilizá-lo!

Fazer atividades físicas é uma ótima maneira de liberar endorfina, o hormônio do bem-estar. Ao sair para uma longa caminhada é possível que você esteja muito envolvido com seu exercício e não se preocupe com pensamentos intrusivos!

Aceite a presença desses pensamentos ao invés de evitá-los

Fugir dos gatilhos de pensamentos obsessivos não é uma boa ideia porque você inconscientemente ficará preocupado com evitar esses gatilhos. O ideal é enfrentá-los com ajuda e acompanhamento de um psicoterapeuta.

Aceitar que esses pensamentos fazem parte da sua vida é um passo importante para buscar ajuda e compartilhar com as pessoas ao seu redor o motivo do seu estresse.

Lembre-se que pensamentos são apenas pensamentos

Talvez o ponto mais importante de todas as dicas listadas até aqui é lembrar que pensamentos são pensamentos. Os assuntos dessas fantasias podem ser ruins e desagradáveis, mas isso não representa quem você é.

Faça disso um exercício de autoaceitação! Lembre-se das suas qualidades e seus pontos positivos, e lembre-se que seus pensamentos não definem quem você é.

Coisas que você deve evitar fazer ao ter pensamentos intrusivos:

  • Se envolver demasiadamente com esses pensamentos intrusivos;
  • Procurar algum significado para esses pensamentos;
  • Questionar porquê esses pensamentos estão acontecendo;
  • Evitar ou suprimir esses pensamentos de alguma forma, já que isso pode contribuir para o surgimento de mais pensamentos dessa natureza.

Pode ser difícil de fazer isso em um primeiro momento mas, com o tempo, você pode se tornar mais resistente a esses pensamentos intrusivos, reduzindo o efeito emocional deles e os mantendo sob controle.

 

Pensamentos intrusivos têm cura? Como se livrar deles?

Pensamentos intrusivos têm cura? Como se livrar deles?

Pensamentos intrusivos têm cura, e a cura está no tratamento psicológico, assim como no desenvolvimento de hábitos saudáveis.

Junto ao tratamento psicológico, um estilo de vida saudável é muito importante para o bem-estar e saúde mental. Práticas como mindfulness, meditação, boas noites de sono, expressão criativa e exercícios são grandes aliadas.

A prática da meditação pode ser uma boa ferramenta para enfrentar os pensamentos obsessivos compulsivos, pois ela não apenas relaxa o sistema nervoso, como também ajuda a colocar os pensamentos em ordem.

Existem muitas opções de tratamento psicológico para pensamentos intrusivos obsessivos, a mais comum e indicada sendo a terapia cognitivo-comportamental (TCC).

A terapia cognitivo-comportamental vai ajudar a pessoa sofrendo com pensamentos intrusivos a reavaliar como encarar essas situações, de forma a mudar sua postura ao agir frente a esses pensamentos.

Uma grande parte da terapia consiste em identificar os gatilhos desses pensamentos obsessivos e ensinar maneiras saudáveis ​​e eficazes de responder a eles.

A psicoterapia vai ajudar a encontrar os melhores caminhos para aprofundar sua autoconfiança e proporcionar formas saudáveis e efetivas de enfrentar esses pensamentos.

Certifique-se que está adicionando hábitos saudáveis à sua rotina e mantenha a terapia em dia! Com a ajuda de um psicólogo, você vai aprender como lidar com pensamentos intrusivos.

É possível, assim, resgatar a qualidade de vida da pessoa que está sofrendo com pensamentos intrusivos, identificando as causas desses pensamentos e encontrando soluções para enfrentá-los.

Se você sentir vontade de agir de acordo com seus pensamentos intrusivos de uma forma que possa causar danos a você ou a outras pessoas, procure ajuda médica imediatamente.

Portanto, investir na psicoterapia é fundamental! Lembre-se que o tratamento, assim como em qualquer outro tratamento psicológico exige paciência, participação e engajamento.

Sendo assim, se você se sente pressionado pelos seus pensamentos, procure uma psicóloga. A Psicotér conta com profissionais especializadas que podem te ajudar!

Entre em contato com a nossa equipe através do Fale Conosco e conheça a Psicotér!

Lisiane Duarte – CRP 07/12563

Psicóloga e Diretora Técnica da Psicotér

Clique para solicitar avaliação bônus

Veja Mais


    Se identificou com o assunto deste post?
    Então deixe seus dados abaixo que entraremos em contato em instantes* para agendar sua AVALIAÇÃO BÔNUS!


    Seu nome*
    Seu e-mail*
    Seu telefone

    Gostou? Compartilhe:

    Leia Também

    2 Comentários

    1. Aline Isabel | 27 de novembro, 2017

      Olá, tenho muitos pensamentos desse tipos e varias imaginações coisas q não gosto imagino e com frequencia, tenho sintomas de depressão e ansiedade

      • Psicotér | 27 de novembro, 2017

        Olá Aline, é bem importante que isso seja tratado e que você possa viver com o controle da sua vida e de seus pensamentos. Estamos a sua disposição para auxiliá-la.

    O que são Pensamentos Intrusivos, Tipos, Sintomas e Como Lidar | Psicoter