Marker
relógio Seg a Sex dàs 7h às 22h - Sáb dàs 7h às 12:30h
(51) 9 9833-8006
(51) 4100-2513

Transtorno Bipolar: Mania, Hipomania e Depressão Bipolar.

Categoria: Bipolaridade, Doenças e Transtornos

O transtorno bipolar provoca mudanças graves no humor, na energia, nos pensamentos e no comportamento

Mais do que apenas um bom ou mau humor fugaz, os ciclos do transtorno bipolar duram dias, semanas ou meses. E ao contrário de oscilações comuns de humor, as mudanças no transtorno bipolar são tão intensas que interferem em sua capacidade de ação.

Durante um episódio de mania, uma pessoa pode impulsivamente sair de um emprego, gastar enormes quantias em cartões de crédito ou se sentir refeita depois de dormir duas horas. Durante um episódio depressivo, essa mesma pessoa pode se sentir muito cansada para sair da cama e cheia de autoaversão e desesperança sobre estar desempregada e com dívidas.

O primeiro episódio de mania ou depressão do transtorno bipolar geralmente ocorre na adolescência ou no início da fase adulta. Os sintomas variam muito em: padrão, gravidade e frequência. Algumas pessoas são mais propensas à mania ou à depressão, enquanto outras oscilam igualmente entre os dois tipos de episódios. Alguns têm variações frequentes de humor, enquanto outros as experimentam pouco ao longo da vida.

Há quatro tipos de episódios de humor no transtorno bipolar: mania, hipomania, depressão e episódios mistos. Cada tipo de episódio de humor no transtorno bipolar tem um único conjunto de sintomas.

Na fase maníaca do transtorno bipolar, sentimentos de energia multiplicada, criatividade e euforia são comuns. As pessoas que experimentam um episódio maníaco frequentemente falam a mil por hora, dormem muito pouco e são hiperativas. Elas também podem se sentir muito poderosas, invencíveis ou destinadas à grandeza. Nessa fase, sente-se bem no início, mas tende a perder seu controle. Muitas vezes se comportando de forma imprudente durante um episódio maníaco: desperdiça as economias em jogos de azar, envolve-se em atividades sexuais impróprias ou faz investimentos financeiros tolos, por exemplo. Ela também pode ficar com raiva, irritada e agressiva – provocando brigas, atacando os outros quando eles não concordam com seus planos e repreendendo quem critica seu comportamento. Algumas pessoas até entram em delírio ou começam a ouvir vozes.

A hipomania é uma forma menos grave de mania. Pessoas em estado hipomaníaco sentem-se eufóricas, dinâmicas e produtivas, mas são capazes de tocar adiante sua vida cotidiana e nunca perder o contato com a realidade. Para os outros, pode parecer que as pessoas com hipomania estão simplesmente em um estado de bom humor invulgar. No entanto, a hipomania pode resultar em decisões ruins que prejudicam relacionamentos, carreiras e reputações. Além disso, muitas vezes se agrava a ponto de chegar à mania severa ou é seguida por um grande episódio depressivo.

Sinais e sintomas de depressão bipolar

No passado, a depressão bipolar foi mesclada com a depressão comum, mas um número crescente de pesquisas sugere que há diferenças significativas entre as duas, especialmente quando se trata de tratamentos recomendados. Os antidepressivos não ajudam a maioria das pessoas com depressão bipolar. Na verdade, há um risco de que esses remédios possam fazer o transtorno bipolar piorar – deflagrando a mania ou a hipomania, provocando rápidas oscilações entre os estados de humor ou interferindo em outros medicamentos estabilizadores do humor.

Apesar de muitas semelhanças, alguns sintomas são mais comuns na depressão bipolar do que na depressão regular. Por exemplo, a depressão bipolar é mais suscetível de envolver irritabilidade, culpa, alterações de humor imprevisíveis e sentimentos de inquietação. Pessoas com depressão bipolar também tendem a mover-se e a falar devagar, dormir muito e ganhar peso. Além disso, elas são mais propensas a desenvolver depressão psicótica – a condição em que perdem contato com a realidade e experimentam grande deficiência no trabalho e nas atividades sociais.

Sinais e sintomas de um episódio misto

Um episódio misto de transtorno bipolar apresenta sintomas de mania ou hipomania e depressão. Os sinais mais comuns de um episódio misto incluem depressão combinada com agitação, irritabilidade, ansiedade, insônia, distração e pensamentos rápidos. Essa combinação de alta energia e baixo-astral tende a resultar em um risco particularmente elevado de suicídio.

As diferentes faces do transtorno bipolar

Transtorno Bipolar I (mania ou episódio misto) – Essa é a forma maníaco-depressiva clássica da doença, caracterizada por pelo menos um episódio maníaco ou episódio misto. Geralmente – mas nem sempre – ela também envolve pelo menos um episódio de depressão.

Transtorno Bipolar II (hipomania e depressão) – Nesse caso, a pessoa não experimenta episódios maníacos completos. Em vez disso, a doença envolve episódios de hipomania e depressão grave.

Ciclotimia (hipomania e depressão leve) – A ciclotimia é uma forma mais branda do transtorno bipolar, que consiste em mudanças de humor cíclicas. No entanto, os sintomas são menos graves do que na mania ou na depressão severas.

Se você detectar os sintomas da depressão bipolar em si mesmo ou em outra pessoa, não espere para obter ajuda. Ignorar o problema não fará com que ele vá embora; na verdade, a tendência é que piore. Viver com transtorno bipolar não tratado pode levar a problemas em todas as áreas, da carreira aos relacionamentos, até a saúde. Diagnosticar o problema o mais cedo possível, e tratar-se, pode ajudar a prevenir essas complicações.

O transtorno bipolar requer tratamento de longo prazo. Uma vez que ele é uma doença crônica e com recidivas, é importante continuar com o tratamento mesmo que você esteja se sentindo melhor. A maioria das pessoas com transtorno bipolar precisa de medicação para prevenir novos episódios e ficar livre dos sintomas. Mas o tratamento não se resume somente à medicação. Sozinho, o remédio em geral não basta para controlar totalmente os sintomas do transtorno bipolar. A estratégia de tratamento mais eficaz envolve uma combinação de medicamentos, terapia, mudanças de estilo de vida e apoio social. É uma condição complexa. O diagnóstico pode ser complicado e o tratamento muitas vezes difícil.

Se você reluta em procurar tratamento porque gosta da forma que se sente quando está maníaco, lembre-se de que a energia e a euforia vêm com um preço. A mania e a hipomania frequentemente se tornam destrutivas, prejudicando você e as pessoas ao seu redor.

Gostou? Compartilhe:

Leia Também

12 Comentários

  1. Hosana | 21 de janeiro, 2018

    Muito esclarecedor o artigo.

    • Psicotér | 23 de janeiro, 2018

      Olá Hosana, ficamos felizes em saber que o nosso objetivo está sendo alcançado: informar, esclarecer e transmitir um conteúdo de qualidade. Ficamos à disposição sempre que necessário.

  2. Fabio Joel dos santos | 05 de fevereiro, 2018

    Qual o medicamento indicado para bipolaridade? Quetiapina?

    • Psicotér | 09 de fevereiro, 2018

      Olá Fábio, existem vários tipos de substâncias usadas no tratamento do transtorno bipolar: estabilizadores do humor, antidepressivos, antipsicóticos e tranquilizantes. A administração do medicamente vai depender do estado psicológico em que a pessoa se encontra e dos sintomas que ela apresenta.

  3. ryan | 06 de fevereiro, 2018

    ola , esse artigo e bem explicativo . voltado ao assunto dos sintomas e tramentos . quais seriam os profisionais na area da saude mais indicado . um nutrologo . seria indicado pois trata problemas como esses sitados de forma natural ?

    • Psicotér | 09 de fevereiro, 2018

      Oi Ryan, cada profissional atua em sua área específica e, para transtornos mentais ou problemas psicológicos, os psicólogos e psiquiatras são os profissionais indicados. Isso não impede que vários profissionais atuem de forma interdisciplinar em um caso.

  4. Elisabeth Pereira Ramos | 22 de março, 2018

    Gostaria de saber de mesmo tomando medicação ja a alguns anos com diagnostico de bipolaridade, pode haver recaidas. Como os familiares devem proceder na fase de hipomania?

    • Psicotér | 22 de março, 2018

      Olá Elisabeth, é fundamental o tratamento combinado, medicação e psicoterapia, para a prevenção de recaídas. Estamos à disposição.

  5. Alcione | 22 de maio, 2018

    Uma criança com doze anos diagnosticado pode ser curado?
    Ele já foi diagnosticado com TDAH,TO.
    Qual medicação é menos agressivo?

    • Psicotér | 24 de maio, 2018

      Olá Alcione, somente um exame psicológico poderá avaliar o grau da doença e a medicação própria para o caso dele. Procure um profissional e faça uma avaliação. Estamos à disposição.

  6. Rosangela Azevedo | 18 de julho, 2018

    boa tarde, me vejo em varias situações nos casos do humor irritabilidade descisões prisipitadas fiz acompanhamento com psicologo por 3 meses e fui demitida e me encontro em um estagio desesperador sem animo so fico deitada com portas e janelas fechada gostaria de obter ajuda de um profissional mas estou sem condiçoes financeiras

    • Psicotér | 06 de agosto, 2018

      Olá Rosângela, existem várias formas de pedir ajuda! A condição financeira pode estar mascarando o que precisa ser feito. Fato é que você precisa sair dessa, dê alguns passos, pois ninguém fará isso em seu lugar.

Deixe seu comentário

Contato e Endereços

Para facilitar o seu atendimento, a Psicotér atende em diversas localidades de Porto Alegre. Veja no mapa qual o endereço mais próximo de você e ligue para agendar sua primeira consulta gratuita!

(51) 4100-2513
(51) 9 9833-8006
Fale conosco
Se preferir, preencha os campos abaixo e entre em contato para agendar sua consulta: