Endereços psicoter
Rua Vigário José Inácio, 250 Sala 102 Centro - Porto Alegre
R. Antônio Joaquim Mesquita, 131 - Passo d'Areia - Porto Alegre
Rua Esteves Júnior, 50, Sala 404 - Florianópolis
SEG A SEX DÀS 7H ÀS 22H - SÁB DÀS 7H ÀS 12:30H

Educar com Autoridade

Imagem descrição - Mãe e filho, educar com autoridade

A educação dos filhos, e o modo como ela é aplicada, é extremamente importante para o desenvolvimento ao longo da vida; definirá muito do caráter na fase adulta.

Embora não exista um manual que explique como ser “bons pais”, há critérios gerais válidos para a criação. Um deles é a autoridade que os pais precisam exercer dentro das suas funções parentais. 

Imagem descrição - pai e filhoO conceito de autoridade mudou com o passar do tempo. Antigamente ela era exercida de outra forma. Em geral, o filho obedecia porque simplesmente tinha que fazê-lo, sem compreender o porquê. Era um modelo de autoritarismo baseado no castigo, em que se respeitava por temor as consequências (por exemplo punições corporais). Já na atualidade, vem ocorrendo um movimento contrário, a falta de limites. A sociedade contemporânea enfrenta uma crise na autoridade, em que muitos pais/responsáveis não conseguem exercer a autoridade que lhes é própria pela hierarquia dentro da dinâmica familiar.

Impor limites exige um esforço importante dos adultos. Alguns pais, exaustos com as atividades diárias, como o trabalho, cedem as vontades dos filhos. Também, o medo de serem rejeitados os leva, muitas vezes, à permissividade exagerada. Esse medo tem como base a ideia de que uma criança seria feliz “sem limites”.

É comprovado que crianças que satisfazem livremente as suas vontades e desejos não serão felizes. Viverão constantemente angustiadas, não encontrando nenhum impedimento que a proteja de si mesma e do mundo exterior. É esperado que crianças desobedeçam os limites, mas, inconscientemente, essa recusa esconde a procura deles.

Por isso, a autoridade é uma prova de amor, não de desamor. Um dos principais desafios aos pais é encontrar o equilíbrio e educar com autoridade, e não autoritarismo. Estes são conceitos muito diferentes. Enquanto o primeiro pode ser entendido como o poder de impor limites necessários para a convivência em sociedade; o segundo é um exagero desse poder, realizado pela imposição de ideias sem possibilidade de contraposição.

São os limites que dão estabilidade ao ser humano, a falta deles poderá gerar consequências na construção da personalidade, formando pessoas ansiosas, frustradas e inseguras. Exemplos são usar os outros segundo a sua conveniência, não assumir responsabilidades, pensar que o dinheiro pode resolver tudo… Em casos mais extremos, poderão demonstrar comportamentos de riscos, como abusos de drogas.

Ao sustentarem a autoridade, os pais propiciam que, um dia, seus filhos possam exercer o mesmo papel, transmitindo o valor da responsabilidade e do compromisso. A autoridade está fortemente ligada à transmissão de uma geração a outra e, por isso, é o canal em que se transmite os valores.

A dificuldades em pôr limites pode ter origem em questões transgeracionais relacionadas a história dos genitores. É preciso então, que superem as suas próprias resistências internas para uma atuação com a convicção de que essa autoridade é legítima, tendo firmeza e constância.

Muitos pais acabam não exercendo a autoridade também pelo medo de estarem sendo muito agressivos com os filhos. Esse medo, no entanto, é perigoso, pois proporciona aos pais uma imagem negativa da sua agressividade, de forma que a inibem totalmente. Contudo, é importante lembrarmos que todos somos humanos, e muitas vezes pais sentirão raiva dos seus filhos. Esse sentimento é legítimo, e, quando demonstrado de forma saudável, a criança compreenderá que seus pais são como ela, sensíveis a todos tipos de sentimentos.

Para ensinar sobre respeito, é preciso que seja mútuo entre os pais e os filhos. O diálogo é uma peça chave. Por exemplo, analisando em conjunto o porquê das normas (contudo, também fazendo-os entender que não são negociáveis). É importante que os cuidadores exerçam a autoridade com afeto e proximidade, dedicando tempo e atenção aos filhos. Quando estes sentem o amor dos seus pais, estarão mais dispostos a aceitar a autoridade como uma orientação para a vida.

É um mito que a vida familiar deve se desenrolar apenas em um clima de bom humor e tranquilidade. Essa fantasia é sedutora e muito desejada, porém é irreal. Conflitos são inevitáveis pelo simples fato de que as crianças, em algum momento, vão se opor aos limites. Este enfrentamento propicia o fortalecimento da sua estrutura.

Uma criança pequena, estando em fase de desenvolvimento, tem muitas atitudes baseadas em instintos e impulsividades, e é através da autoridade que ela se tornará cada vez mais apta a viver em sociedade de forma saudável e respeitosa.

Por Graziela Dengo – Psicóloga da Equipe Psicotér

Entre em contato conosco através desse link para agendar uma Avaliação Gratuita para psicoterapia, Online ou Presencial, com um Psicólogo ou Psicóloga em Porto Alegre. Temos a garantia do melhor atendimento e psicólogos de Porto Alegre altamente qualificados.

 

Gostou? Compartilhe
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram

Posts Relacionados

Confira os assuntos de maior interesse

avaliação psicológica bônus




    Se identificou com o assunto deste post?


    Então deixe seus dados abaixo que entraremos em contato em instantes* para agendar sua AVALIAÇÃO BÔNUS!

    Seu nome*
    Seu e-mail*
    Seu telefone

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.