Endereços psicoter
Rua Vigário José Inácio, 250 Sala 102 Centro - Porto Alegre
R. Antônio Joaquim Mesquita, 131 - Passo d'Areia - Porto Alegre
Rua Esteves Júnior, 50, Sala 404 - Florianópolis
SEG A SEX DÀS 7H ÀS 22H - SÁB DÀS 7H ÀS 12:30H

PERDAS AFETIVAS

Tenho observado na prática psiquiátrica e no convívio social com amigos e familiares, a nossa profunda dificuldade em lidar com perdas afetivas.

Em maior ou menor proporção, todos sofremos com a perdas. Sejam elas de objetos, animais de estimação, expectativas pessoais ou incapacidade de alcançar os objetivos traçados e especialmente com a perda de pessoas próximas.

Todas as situações acima referidas exemplificam algum tipo de relacionamento, um investimento de afeto e energia com o qual a pessoa possui forte vínculo. Quando esse relacionamento é rompido ocorre grande sentimento de perda, dor e sofrimento.

Ao lidarmos com as perdas afetivas somos confrontados com nossas próprias frustrações. Investindo amor e cuidado projetamos nossas expectativas e idealizações. Sendo assim, na iminência do dano, ou na perda real, a amargura e a aflição pela falta do objeto idealizado são imensos.

Existem diversos tipos de perdas afetivas. Talvez, a que cause maior dor seja a perda de um ente querido, com o qual compartilhamos o convívio diário, os planos futuros e no qual projetamos nossa “imortalidade presumida”.

O desgosto dessa perda é difícil, pois precisamos encarar também nossas fragilidades. O ideal seria à pessoa atingida enfrentar o luto com recursos individuais, apoio familiar, psicoterapia, entre outros.

Contudo, de maneira equivocada, muitas pessoas acreditam que não falar sobre assuntos tristes seria a forma mais adequada para esquecer e sublimar esses sentimentos. No entanto, essa atitude só aumenta o problema. Fazendo isso você esták impede que a pessoa reorganize seus anseios de maneira mais benéfica para dar continuidade à vida.

Decifrar sentimentalmente a perda é um desafio. De maneira que, compreender o papel do luto, significa dar sentido à lesão da pessoa enlutada para que ela possa seguir em frente.

Não é fácil superar perdas afetivas. Tampouco se pode compará-las com a de um indivíduo ou de outro, pois cada um sente e reage individualmente.

Todavia, como saber quando alguém está necessitando de ajuda?
Façamos o raciocínio inverso. Inicialmente, observamos o comportamento da pessoa anterior ao do fato que causou a perda. Logo após, analisamos o seu comportamento posterior. Importante destacar que é absolutamente normal, durante determinado período, a pessoa apresentar certa angústia ou frustração, ao ponto que modifique o seu temperamento, atitudes e tarefas diárias.

Esse tempo irá variar de pessoa para pessoa, caso a caso. Os períodos de lutos, no geral, costumam prolongar-se mais.

Entretanto, se esse padrão de comportamento considerado atípico para aquela pessoa tornar-se permanente; estaremos diante de um quadro de eminente necessidade de intervenção médica e psicológica.

Psicotér: clínica de psicologia em Porto Alegre

Gostou? Compartilhe
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram

Veja também

Avaliação Psicológica Bônus




    Se identificou com o assunto deste post?


    Então deixe seus dados abaixo que entraremos em contato em instantes* para agendar sua AVALIAÇÃO BÔNUS!

    Seu nome*
    Seu e-mail*
    Seu telefone

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    RECEBA NOVIDADES

    Receba novidades, notícias e tudo sobre nossa empresa diretamente no seu email :

      Um centro de atendimento psicológico que desde 2010 tem seu foco em você, no seu desenvolvimento pessoal, seu bem-estar e também em sua qualidade de vida.
      SEG A SEX DÀS 7H ÀS 22H - SÁB DÀS 7H ÀS 12:30H

      © 2018- Todos os direitos reservados - Clínica de Psicologia Psicotér