Marker
relógio Seg a Sex dàs 7h às 22h - Sáb dàs 7h às 12:30h
(51) 9 9833-8006
(51) 4100-2513

5 atitudes de crianças com mau comportamento que podem ser um alerta

Categoria: Comportamento, Infância, Psicoterapia Infantil

O motivo do  mau comportamento das crianças

Nem sempre é fácil traduzir em palavras, os sentimentos. Para as crianças é mais difícil porque não conseguem identificar exatamente o que estão sentindo, nem o porquê  de estarem assim. Por isso, muitas vezes se expressam através de outras formas, buscando externalizar as angústias, medos, ansiedades. Resumindo crianças com mau comportamento, geralmente têm mais dificuldade de expressar seus sentimentos.

Mudanças fazem parte do ciclo do desenvolvimento porém podem se dar a partir de fatores externos, como divórcio dos pais, mudança de escola, nascimento de um irmão. Essas são exemplos de situações que podem ser difíceis para as crianças lidarem. Portanto, é importante que os responsáveis estejam atentos às mudanças das crianças e  principalmente nas crianças com mau comportamento. Essas podem ser um alerta de que algo não está bem e que não estão conseguindo lidar sozinhas.

Sinais de mudanças

  1. Alterações bruscas de comportamento e/ou humor – Estas mudanças não são necessariamente um sinal de alerta. Mas atenção se forem abruptas e rápidas, pois é um sinal a ficar de olho.  Exemplos podem ser:mau comportamento em crianças

2.  Dificuldades escolares – Qualquer dificuldade que a criança esteja apresentando relacionada a escola, seja de ordem comportamental, relacional ou cognitiva, merece ser avaliada. Entretanto é completamente normal que crianças aprendam através de formas e velocidades diferentes.   No entanto se  for percebida uma grande dificuldade para aprender,  mesmo com muito esforço , aí sim,  é importante investigar.

3. Dificuldades na interação social – Este item pode estar conectado ao anterior. É importante estar atento se a criança apresenta dificuldades nas habilidades sociais e de comunicação e se ocorrem apenas em um ambiente, por exemplo a escola. Pode significar que há uma conexão com esse contexto, ou se ocorre em diversos lugares, como atividades extraclasses, parques, aniversários, convívio com outros parentes.

4. Regressão de fases desenvolvimentais – A criança  passa a apresentar enurese noturna (fazer “xixi na cama”) após já ter aprendido, pode falar de forma infantilizada, “desaprender” hábitos que já havia conquistado.

5. Somatizações – Quando o corpo da criança “fala”, é uma denúncia de que algo não está bem. Podem ser alergias, queda de cabelo, infecções, gripes constantes, enfim, quaisquer sintomas onde uma causa biológica não é encontrada. Isso pode ocorrer em função do sistema imunológico estar enfraquecido, pois é influenciado pelo estado emocional.

Percebendo as crianças com mau comportamento 

Em primeiro lugar, fortaleça o vínculo com o seu filho. Entenda que ele não está apenas querendo chamar a atenção, mas está enfrentando uma dificuldade e precisa de auxílio. Converse com ele, explique que tem percebido a mudança e demonstre que você o está escutando, acolhendo. O mais importante é  que ele sinta que os responsáveis o enxergam, se preocupam com seus sentimentos, medos preocupações. Da mesma forma, é importante que se realizem atividades com a criança como:  ir à pracinha, realizar tarefas escolares juntos e brincar com a criança. 

Se a escola ainda chamou os responsáveis para conversar, a procure e demonstre a preocupação. Adquirir informações sobre o funcionamento global da criança neste ambiente é muito valioso. No entanto é provável que a própria escola identifique o problema e realize um encaminhamento para o serviço específico em função da demanda apresentada. É importante também conversar com o(a) pediatra  que poderá identificar se certas mudanças são esperadas dentro do ciclo de desenvolvimento, ou se é um sinal de alerta.

Ao serem percebidas dificuldades, tanto de ordem emocional e comportamental, poderá ser orientado que a criança realize uma avaliação psicológica, que são realizadas por psicólogos(as) ou seja para poder investigar a fundo o funcionamento, as causas das conflitivas e o que elas significam.  Posteriormente poderá ser estabelecido um plano de tratamento e um objetivo, a encaminhando para realizar acompanhamento em psicoterapia infantil, onde terá um espaço para aprender a lidar melhor com os seus sentimentos, psicopedagogia, fonoaudiologia, fisioterapia, reforço escolar.

O envolvimento da família com o tratamento

Mais importante de tudo é que a família participe deste processo com a criança. Realizar terapia familiar pode ser muito rico, visto que, é muito comum a sintomática apresentada pela criança ser um resultado e uma denúncia de problemas na dinâmica familiar. Podem estar ocorrendo ciclos viciosos de relacionamento entre os responsáveis e as crianças, o que seria por exemplo, a criança realizar um comportamento negativo, os pais respondem de uma forma inadequada e assim por diante.

No entanto, esses ciclos podem ser difíceis de interromper. Alguns pais tem dificuldades em lidar com esses comportamentos dos filhos ou enxergar que as suas respostas estão sendo inadequadas e ineficazes. Nesses casos o psicólogo auxiliará na compreensão desse ciclo vicioso, o que o está mantendo e como interrompê-lo.  Mudar o comportamentos e atitudes dos pais pode influenciar diretamente na melhora das dificuldades dos filhos. A chave na educação e criação é a coerência, ou seja, não se transmite apenas o que é falado acima de tudo os exemplos que são dados.  Também a comunicação deve ser clara e objetiva, explicando “o porquê” de tal regra que deve ser cumprida.

O importante é a família se unir

Trabalhando em conjunto, é possível enxergar padrões disfuncionais na família e novas formas de lidar com os problemas. Pode ser ensinado aos pais novas ferramentas para uma parentalidade mais adequada. Têm de estabelecer os limites concomitantemente ao auxílio à criança no seu processo de individuação e crescimento.

Portanto, ao perceber na criança alguns destes sinais, é importante procurar serviços de apoio e investigar. Pode ser apenas dificuldades na fase de desenvolvimento que a criança esteja enfrentando e conseguirá finaliza-la sozinha. Mas pode também se alongar por um grande período de tempo, causando prejuízos à criança. O problema se estabelecesse quando o sintoma apresenta longa duração, forte intensidade e grande sofrimento à criança e à família.

   

Graziela Dengo – CRP 07/29030
Psicóloga Clínica, Pós-Graduanda em Terapia Sistêmica


Se identificou com o assunto deste post?
Então deixe seus dados abaixo que entraremos em contato em instantes* para agendar sua AVALIAÇÃO BÔNUS!


Seu nome*
Seu e-mail*
Seu telefone

Gostou? Compartilhe:

Leia Também

Deixe seu comentário

Contato e Endereços

Para facilitar o seu atendimento, a Psicotér atende em diversas localidades de Porto Alegre. Veja no mapa qual o endereço mais próximo de você e ligue para agendar sua primeira consulta gratuita!

(51) 4100-2513
(51) 9 9833-8006
Fale conosco
Entre em contato para agendar sua AVALIAÇÃO BÔNUS ou tirar dúvidas.

(51) 4100-2513