Marker
relógio Seg a Sex dàs 7h às 22h - Sáb dàs 7h às 12:30h
(51) 9 9833-8006
(51) 4100-2513

Coronavírus: implicações psicológicas, dicas práticas e como tratar a mente

Categoria: Doenças e Transtornos

Como uma pandemia mundial como a Covid-19 impacta na saúde emocional e psicológica das pessoas?

A grande questão é que a pandemia de coronavírus está gerando inquietações, estresse e pânico nas populações afetadas em todas as partes do mundo. 

As incertezas sobre o conhecimento que se tem desta nova doença, geram total insegurança e fica impossível prever um futuro com clareza. 

Médicos e pesquisadores do mundo inteiro se movimentam para estudar e conhecer o novo mal, estão cada vez mais perto de erradicá-lo, mas ainda não se tem a cura.

Uma das coisas que traz ao ser humano saúde psicológica é a segurança, por isso o momento atual traz consigo tantas doenças psicológicas.

Essa calamidade que estamos vivendo pode ser fator desencadeante para pessoas com predisposição a desenvolver doenças psicológicas. A partir deste momento, sintomas podem aparecer, fique atento a crises de ansiedade, crises de pânico, depressão, irritabilidade, choro excessivo, preocupações exageradas com o futuro. 

É natural que o momento traga um pouco mais de apreensão e ansiedade, mas o ser humano possui uma capacidade de adaptação para se manter saudável, quando esta capacidade encontra-se limitada ou fraca, estes momentos de tensão não são vivenciados de uma maneira equilibrada.

Talvez a principal questão a ser pensada sobre a importância de mantermos a saúde da mente em situações como esta, é o fato de que o desequilíbrio psicológico baixa a nossa imunidade física. 

Mas o que é imunidade? É a resposta que o nosso organismo dá contra substâncias e invasores estranhos no nosso corpo. Quando passamos por uma situação de estresse ou nos sentimos ameaçados de alguma forma, o cérebro automaticamente produz hormônios estressores (como cortisol e adrenalina), que fazem a pressão arterial subir, os músculos contraírem, a frequência cardíaca aumentar e a respiração acelerar, diminuindo a atividade e a eficiência do sistema imunológico.

Portanto é notório que o que estamos vivendo traz uma série de situações estressantes: pânico, sentimento de impotência, medo, solidão, desorganização da rotina, convivência familiar mais próxima causando brigas em relações que já estavam fragilizadas, falta de esperança, sentimento de incapacidade, muitos pensamentos negativos e sensação corporais desajustadas. 

Há milhares de relatos de pessoas sentindo sintomas de gripe, dor no corpo, dor de cabeça, corpo quente ou calorões. Diante de um espirro ou tosse ficam impactadas e correm para a internet tentar diagnosticar se estão com coronavírus. Acabam por encontrar inúmeras informações desencontradas e deixam a mente desequilibrada, neste instante estão passando por um momento de estresse e seu corpo está fragilizado e, mesmo que não estejam infectadas pelo coronavírus, estarão com a imunidade baixa e a porta mais aberta para o invasor entrar e causar estragos. 

Estarmos orientados, atentos e conscientes, não significa viver em alerta constante, enviando informações de perigo a todo instante para o nosso corpo. Este estado de vigília é prejudicial e desencadeia o estresse emocional e o desequilíbrio psicológico que, consequentemente, baixa as nossas defesas (imunidade) e nos deixa mais propensos a contaminações, como o coronavírus.

 

Como prevenir a sobrecarga ou esgotamento psicológico por conta do distanciamento social, isolamento ou quarentena e da mudança na rotina das pessoas?

Ver as ruas desertas, a tensão nos estabelecimentos, pessoas se defendendo e se protegendo através de equipamentos de segurança como luvas, máscaras, alguns com casacos, capuz, distantes umas das outras e evitando qualquer contato, definitivamente não estamos acostumados com esta situação.

Parece que estamos vivendo uma série de ficção como The Walking Dead.

Além de todos os sentimentos desencadeados pela doença em si, pois não a conhecemos em sua totalidade, precisamos lidar diariamente com a reorganização geral de nossas vidas, de uma hora pra outra.

Ontem você acordava, tomava seu café, se vestia, pegava a condução de sempre, sentava ao lado de outras pessoas, ia para o trabalho passando pelo porteiro, ascensorista, recepcionista, almoçava no refeitório ou no restaurante, na volta tem a academia, a loja que você precisava ir, dentista, a sua terapia, ou seja, liberdade! Essa liberdade nos foi tirada do dia para noite por conta da proliferação de uma contaminação mundial em massa: o Covid-19.

Essa mexida total em nossas vidas, rotinas, sentimentos, gera muito estresse e, dependendo de como cada pessoa lida com este estresse, pode levar a uma estado psicológico precário.

A rotina é ponto chave para o ser humano, traz organização, tranquilidade e equilíbrio. Por isso, mesmo neste momento atípico, salienta-se a importância de se criar uma rotina diária tentando contemplar os afazeres que você tinha antes do coronavírus chegar.

Para prevenir a sobrecarga e o esgotamento mental, manter a sua mente saudável e ajudar a sua imunidade, siga algumas dicas:

  1. Se você está trabalhando de casa, organize seu dia o mais próximo do que era quando você se deslocava para o trabalho: acorde, mantenha sua rotina de café, banho, etc.
  2. Vista-se como se fosse ao trabalho – pode ser com roupas mais leves, mas procure trocar a roupa de ficar em casa por algo que você usaria na rua;
  3. Faça pausas durante a rotina de trabalho: não trabalhamos oito horas ininterruptas. Pare para levantar, tomar uma água, café, fazer um lanche, faça horário de almoço, etc.
  4. Evite ler notícias a todo momento nas redes. Defina que você utilizará uma ou no máximos duas horas do seu dia para atualizar-se e procure sites confiáveis;
  5. Se movimente: tente caminhar pela casa e pátio (se tiver). Evite descer às áreas comuns do condomínio e, se o fizer, não se demore e só faça caso sinta-se muito ansioso; use os exercícios disponíveis no Youtube, dance, faça abdominais, etc.
  6. Tente se distrair: assistir filmes, séries, cozinhar, limpar a casa são tarefas que podem nos ajudar a evitar a ansiedade e as redes; Para que tem crianças em casa, desperte a criatividade dos filhos, façam contações de histórias, desenhos, teatro de fantoches, construam uma linha de tempo com eventos da família, leiam livros, façam atividades de passatempo que estimulam a atenção, a concentração e o raciocínio. Deixe as tecnologias de lado e lembre das brincadeiras da sua infância… Passa anel, telefone sem fio, stop, jogos de tabuleiros, memória e adivinhação vão contribuir para um dia a dia mais divertido em família. 
  7. Divirta-se: dê risada, escute música, faça atividades gostosas e prazerosas. A quarentena não precisa ser triste e mais angustiante do que já é;
  8. Faça aquela tarefa que você está há muito postergando: arrumar o quarto, o guarda-roupa, terminar de tricotar aquela peça esquecida no armário, começar ou terminar aquele livro, começar ou terminar aquele curso online, etc.
  9. Algumas universidades estão disponibilizando cursos online em suas plataformas. Aproveite estes dias para aprender algo novo!
  10. Brinque com seus filhos: jogue com eles, faça acampamentos em casa, chame-os à cozinha para fazerem algo juntos, organize com eles seus quartos, ensine-os algumas tarefas novas;
  11. Converse com as pessoas que gosta: ligue para aquele amigo com quem não conversa há tempo, faça videochamadas para as pessoas que estão longe, ria com eles, brinque com eles;
  12. Tire um tempo somente para você: um banho mais demorado, alguns minutos sozinho no quarto, observar a vida de sua janela: fique sozinho, permita-se afastar-se por quinze minutos das pessoas ao seu redor, entenda que este espaço é só seu e que o auxilia a manter a calma e não ficar irritado com os demais

É importante também lembrar que a quarentena é um momento, que isso vai passar e logo nossa rotina poderá ser retomada. Entenda que o tempo é relativo a como o desfrutamos e que a ansiedade não fará com que ele passe mais rápido.

A proximidade das pessoas com quem convivemos pode tornar os dias mais pesados, por isso, é muito importante cada um respeitar o seu espaço e o do outro. Estamos todos no mesmo barco e os ânimos podem ficar alterados. Manter a calma, a tolerância e o bom humor são fundamentais!

 

O que esperar do pós coronavírus, como lidar com a baixa na economia, desemprego, prejuízos escolares e de atividades com cronograma definido?

Além do impacto atual, sabemos que o coronavírus vai deixar sua marca por mais alguns anos, apesar de ainda não termos este tempo definido. Sabemos que diversas áreas estão sendo afetadas e ainda sofrerão maiores impactos na economia, educação, serviços, entre outros.

Provavelmente, teremos de nos adaptar ao que está por vir, ao efeito colateral do coronavírus e precisaremos retomar nossas vidas. Após a tempestade, vem a bonança, como diz o ditado, e o momento de bonança é também o de novas adaptações, objetivos – prazos, tarefas a serem realizadas, maneiras objetivas de fazer ou não determinada coisa, vida financeira – e subjetivas – como lidar com o retorno ao trabalho, como lidar com a perda do emprego e outras perdas, com as dívidas e o medo de não conseguir dar a volta por cima.

Tudo isso estará na lista das tarefas que teremos de cumprir no pós Covid-19. Além destas, teremos outras, que ainda não podemos dimensionar, porém, sabemos que muitas mudanças e adaptações serão realizadas e necessárias.

Mudança e readaptação são as palavras-chave, junto com calma e paciência, pois tudo vai se ajeitar. Ansiedade aqui também não ajuda. As mudanças geram estresse e precisamos lidar com ele da melhor maneira possível.

Lidar com tudo isso vai exigir das pessoas saúde mental em dia. Entender que as perdas nos fazem enxergar a vida de outra maneira e que são oportunidades de fazermos diferente pode ser a diferença entre manter-se saudável e adoecer. Sabemos que teremos prejuízos e as melhores formas de lidarmos com eles será um dos nossos aprendizados para o pós coronavírus.

Sem dúvida serão alguns anos para restituir o prejuízo causado pela pandemia do coronavírus no mundo todo. Após serviços e eventos cancelados, produções reduzidas, lojas e fábricas fechadas, não se estima cerca de quantos bilhões serão as perdas no cenário econômico brasileiro. 

Chegará a vez de colocar as contas em dia, diminuir os custos extras, virão os parcelamentos dos salários, as demissões e a falta de empregos. 

As escolas e instituições de ensino levarão algum tempo para conseguir colocar os conteúdos e avaliações em dia, ajustar o calendário escolar para diminuir os prejuízos na aprendizagem e manter a qualidade de ensino.

Cidades sendo fechadas, companhia de transportes interditadas, o Covit-19 deve afetar em mais de 2,5 bilhões a economia do turismo brasileiro.

No setor de esportes, estima-se que o prejuízo possa chegar a 20 milhões no âmbito global. 

Mais do que nunca as pessoas terão que buscar coragem, disciplina, capacidade de criatividade e adaptação, se mostrarem mais flexíveis a novas ideias e ampliar a inteligência emocional. As pessoas terão maior necessidade de planejamento e organização financeira para reduzir os danos e enfrentar a crise. 

Por que a terapia online pode ser um aliado neste momento e após a pandemia?

A psicoterapia é indicada para todas as pessoas, independentemente de momentos de crise. Nesta época de Coronavírus, quarentena e notícias desencontradas, ela é o espaço de cada um, em que cada pessoa pode expressar suas ansiedades, medos e buscar maneiras de enfrentar este momento de maneira mais positiva e saudável. Ações de prevenção e redução de danos faz-se necessário sobretudo na área de saúde mental. 

Com o espaço semanal só seu, o psicólogo pode te ajudar a organizar seus pensamentos, a nova rotina; ele estará pronto a receber suas ansiedades e te ajudar a canalizá-las. Algumas pessoas podem ter sintomas de transtornos prévios piorados, como ansiedade, TOC, estresse, fobia social, depressão, entre outros. Para estas pessoas, o espaço psicoterapêutico se torna essencial para que elas consigam lidar com suas emoções, medos e inseguranças, além de todas as informações e notícias, que podem ser catastróficas. Outras, podem desenvolver sintomas de ansiedade, pânico, depressão, TOC e outros transtornos. Para evitar isso e contribuir para que você possa passar por este momento de maneira positiva, a psicoterapia é essencial.

Para depois da pandemia, a psicoterapia pode ajudar a retomar a rotina, evitar que o trauma se instale e pode ajudar a reorganizar seu dia a dia sem medos ou inseguranças. O Transtorno de Estresse Pós Traumático é bem comum em situações como a que estamos vivendo e iniciar o tratamento desde já pode ser a diferença entre piorar e desenvolver sintomas ou ter uma vida mais saudável, apesar da crise.

Prática comum no dia a dia dos psicólogos, o atendimento online em nada perde em relação ao atendimento presencial: por chamada de vídeo, o psicólogo e o paciente conversam como se no consultório estivessem. A troca se mantém e o profissional pode escutar, observar e orientar seu paciente. Para algumas pessoas, este tipo de atendimento é até mais confortável, pois, atrás do computador ou celular, elas têm mais facilidade de se expressarem

A modalidade de atendimento on line mostra-se ainda mais eficaz no sentido do profissional conhecer mais de perto a realidade da vida das pessoas. Através das câmeras, o psicólogo se faz presente na residência do paciente, conhecendo esse espaço de forma pessoal e concreta, podendo manter o atendimento a dois como no consultório ou até mesmo combinar com o paciente  estratégias para que outros membros da família possam participar, contribuir e se beneficiar do atendimento. 

A técnica de atendimento on line garante o mesmo sigilo de um tratamento no consultório, e se aplica a todos os requisitos do código de ética do psicólogo. 

O atendimento on line surgiu desde 2012, está sendo amplamente difundido e cada vez mais utilizado, sem restrições, através dos anos devido sua utilidade, comodidade e eficácia. 

Pacientes que se beneficiam da terapia on line optam por esta modalidade apontando a economia de tempo para o deslocamento, a facilidade para encaixar a terapia em horários flexíveis e disponíveis,  não interromper a terapia quando viajam, a praticidade e o conforto do lar como os principais benefícios e diferenciais da psicoterapia presencial. 

O importante é não deixar para depois para procurar ajuda. A ansiedade, as mudanças, os medos estão acontecendo agora. O psicólogo e a psicoterapia online podem ser aliados para lidar com este momento ímpar na história da humanidade. Já que devemos evitar sair à rua, utilizar esta ferramenta será de grande ajuda para evitar transtornos piores.

 

Anne Griza – CRP 07/13524

Lisiane Duarte – CRP 07/12563

Márcia Moraes -CRP 07/12844


    Se identificou com o assunto deste post?
    Então deixe seus dados abaixo que entraremos em contato em instantes* para agendar sua AVALIAÇÃO BÔNUS!


    Seu nome*
    Seu e-mail*
    Seu telefone

    Gostou? Compartilhe:

    Leia Também

    Deixe seu comentário

    Coronavírus: implicações psicológicas, dicas práticas e como tratar a mente | Psicoter