Endereços psicoter
Rua Vigário José Inácio, 250 Sala 102 Centro - Porto Alegre
R. Antônio Joaquim Mesquita, 131 - Passo d'Areia - Porto Alegre
Rua Esteves Júnior, 50, Sala 404 - Florianópolis
SEG A SEX DÀS 7H ÀS 22H - SÁB DÀS 7H ÀS 12:30H

Amor de Verão!

Ah, o verão… época do ano em que muitas pessoas tiram férias, viajam, descansam, aproveitam para pegar sol e passear.

É também o período do ano em que as pessoas estão mais relaxadas, abertas a novas experiências e tendem a socializar mais.

Nesse contexto, a possibilidade de encontrar alguém especial torna-se muito alta. Ao mesmo tempo, a possibilidade de relacionamentos relâmpago também é grande. Por isso, existe um dito popular de que “amor de verão não sobe a serra”, ou seja, não dura.

Mas será isso uma regra? Não necessariamente. Em termos de relacionamento, nada é regra.

O que muitas vezes acontece no verão é que as pessoas não estão em sua rotina, em sua vida cotidiana e isso muda um pouco os indivíduos. Tende-se a relevar muitas coisas, a ter mais tempo de estar com quem se gosta, curtir mais, não ter muitas regras.

Desse modo, quando acaba o verão e a paixão ainda permanece, as pessoas podem ser surpreendidas pela realidade, ou seja, a rotina, os compromissos, as preocupações, o jeito real de cada um ser, que não está mais mascarado pela aura de férias e de descanso, a distância entre a casa de um e de outro, que podem levar ao fim do relacionamento e à decepção. Isso acontece porque todo mundo, em determinados momentos de suas vidas, estão diferentes daquilo que costumam estar, e o verão, as férias, podem ser estes momentos.

Além disso, não se pode esquecer que as pessoas enxergam as outras, muitas vezes, conforme as “lentes” que utilizam. Ou seja: por estarem mais dispostas, mais relaxadas, acabam não percebendo ou não dando importância àquilo que não está bem, que não as satisfaz, mas, quando acaba o momento do “relax”, acabam por perceber essas importantes diferenças e não dando continuidade ao relacionamento.

Porém, como dito, isso não é regra. Há casais que iniciaram seu relacionamento no período de férias e o amor permaneceu. Para estas pessoas, a rotina e a vida cotidiana não alteraram o sentimento compartilhado e suas “lentes” adaptaram-se a realidade.

O amor e a disposição para o relacionamento independem da estação do ano, pelo contrário, dependem de cada um. Talvez o verão seja época propícia para conhecer outras pessoas, mas não é a única.

Relacionamentos dependem muito mais das pessoas do que de qualquer outra coisa. Se os indivíduos não estão dispostos a continuar um relacionamento, eles não o farão. Lembre-se: os dispostos se atraem.

Apaixonar-se, decepcionar-se, conviver, brigar, chegar a algum acordo ou discordar fazem parte da vida de todo mundo. Cada tombo pode ser a oportunidade de levantar-se novamente, mais forte e mais corajoso.

Como todas as outras paixões, as que acontecem no verão podem durar ou acabar.

Por Anne Griza – Psicóloga da Equipe Psicotér

 

Se você está sofrendo por causa de amor, seja ele de verão ou de outra estação, está com dificuldades de esquecer a pessoa, de se afastar dela ou de retomar sua vida, procure a ajuda de um psicólogo, pois ele pode te ajudar neste processo.

Entre em contato conosco através desse link para uma avaliação gratuita com uma psicóloga em Porto Alegre para avaliar a necessidade de uma psicoterapia individual.

Gostou? Compartilhe
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram

Posts Relacionados

Confira os assuntos de maior interesse

avaliação psicológica bônus




    Se identificou com o assunto deste post?


    Então deixe seus dados abaixo que entraremos em contato em instantes* para agendar sua AVALIAÇÃO BÔNUS!

    Seu nome*
    Seu e-mail*
    Seu telefone