Endereços psicoter
Rua Vigário José Inácio, 250 Sala 102 Centro - Porto Alegre
R. Antônio Joaquim Mesquita, 131 - Passo d'Areia - Porto Alegre
Rua Esteves Júnior, 50, Sala 404 - Florianópolis
SEG A SEX DÀS 7H ÀS 22H - SÁB DÀS 7H ÀS 12:30H

Os 10 grandes mitos sobre suicídio e comportamentos autolesivos

As tentativas de suicídio ou sua prática efetiva envolvem sempre uma grande dose de sofrimento, tensão, angústia e desespero.

Esta dor da alma pode ser real ou ser a conseqüência de uma crise de natureza afetiva, de uma conturbação mental, como, por exemplo, a psicose no seu grau mais agudo, ou de uma depressão com sintomas delirantes.

Contudo, se estes estados alterados da mente vêm acompanhados do consumo de drogas e de álcool, a ação é potencializada significativamente, o que torna a atitude suicida praticamente inevitável. O indivíduo pode ou não deixar uma explicação de seu ato para familiares e amigos, através de uma nota ou de uma carta.

A palavra suicídio foi criada em 1737 por Desfontaines. Com origem no latim – sui (si mesmo) e caederes (ação de matar) -, aponta para a necessidade de buscar a morte como um refúgio para o sofrimento que se torna insuportável. Descubra alguns mitos sobre esse comportamento:

1. “A pessoa que fala sobre suicídio não fará mal a si própria, apenas quer chamar a atenção“.

FALSO, todas as ameaças devem de ser encaradas com seriedade, a pessoa está em sofrimento e precisa de ajuda. Assim, muitos suicidas comunicam previamente a sua intenção.

2. “O suicídio é sempre impulsivo e acontece sem aviso“.

FALSO, apesar de muitas vezes parecer impulsivo, pode obedecer a um plano e ter sido comunicado anteriormente.

3. “Os indivíduos suicidas querem mesmo morrer ou estão decididos a matar-se“.

FALSO, a maioria das pessoas que se suicidam conversam previamente com outras pessoas ou ligam para uma linha de emergência, o que mostra a incerteza que subjaz ao ato suicida.

4. “Quando um indivíduo mostra sinais de melhoria ou sobrevive a uma tentativa está fora de perigo“.

FALSO, na verdade, um dos períodos de maior risco é o que surge durante o internamento ou após a alta. Então, a pessoa continua em risco.

5. “A tendência para o suicídio é sempre hereditária“.

FALSO, ainda existem dúvidas acerca desta possibilidade. Contudo, uma história familiar de suicídio é um fator de risco importante, particularmente em famílias onde a depressão é comum.

6. “Os indivíduos que tentam ou cometem suicídio têm sempre uma perturbação mental“.

NEM TODOS, mas a maioria apresenta sintomas depressivos. Primeiramente, é frequente também a ansiedade, a bipolaridade, os consumos de álcool e drogas, etc. Apenas em 10% das pessoas que consumam o suicídio não se apura diagnóstico psiquiátrico.

7. “Se alguém falar sobre suicídio com outra pessoa está transmitindo a ideia de suicídio a essa pessoa“.

FALSO, certamente não se causam comportamentos suicidas por falar com alguém sobre isso. Sendo assim, reconhecer que o estado emocional do indivíduo é real e tentar normalizar a situação induzida pelo stress são componentes importantes para a redução da ideação suicida; faz com que o paciente sinta que da parte do seu interlocutor, existindo interesse no seu sofrimento.

8. “O suicídio só acontece aos outros“.

FALSO, o suicídio pode ocorrer em todas as pessoas,  pois independentemente do nível social ou familiar.

9. “Após uma tentativa de suicídio a pessoa vez nunca mais volta a tentar se matar“.

FALSO, uma pessoa que tem uma tentativa prévia ou comportamentos autolesivos de menor letalidade apresenta maior risco de cometer suicídio.

10. “Quem se magoa de propósito é louco“.

PRECONCEITO TERRÍVEL E ERRADO, que inibe as pessoas de pedirem ajuda. Quem se magoa de propósito ou considera o suicídio está em sofrimento e pode ser ajudado!

Primeiramente, ao menor sinal de um destes fatores, é necessário buscar ajuda (o que também, em muitos casos, pode ser extremamente difícil para a pessoa fazer sozinha). Portanto, sendo necessário avisar aos familiares e outras pessoas próximas, buscar apoio médico (psiquiátrico) e psicológico. Assim, mesmo conversar e incentivar a pessoa a buscar ajuda e a não desistir, pode fazer com que ela se sinta acolhida, apoiada e isso possa ajudar no processo de recuperação.

Não deixe o suicídio se concretizar, busque ajuda para quem você conhece, muitas vezes a pessoa não consegue lidar com o sofrimento sozinha.

Estamos aqui para ajudar, faça uma avaliação BÔNUS preenchendo o formulário abaixo.

 

facebook psicoter

Gostou? Compartilhe
Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram

Veja também

Avaliação Psicológica Bônus




    Se identificou com o assunto deste post?


    Então deixe seus dados abaixo que entraremos em contato em instantes* para agendar sua AVALIAÇÃO BÔNUS!

    Seu nome*
    Seu e-mail*
    Seu telefone

    Leia também

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    RECEBA NOVIDADES

    Receba novidades, notícias e tudo sobre nossa empresa diretamente no seu email :

      Um centro de atendimento psicológico que desde 2010 tem seu foco em você, no seu desenvolvimento pessoal, seu bem-estar e também em sua qualidade de vida.
      SEG A SEX DÀS 7H ÀS 22H - SÁB DÀS 7H ÀS 12:30H

      © 2021- Todos os direitos reservados - Clínica de Psicologia Psicotér