Não Dê Um Tablet Para o Seu Filho!

Você não consegue mais impor limite para os seus filhos? “Vai brincar no celular/tablet” se tornou uma frase comum no seu relacionamento com eles? Os passeios ao ar livre foram substituídos por compras no shopping?

Entenda o perigo de criar os seus filhos em uma geração que já nasceu conectada e em um mundo tão globalizado.

Primeiramente, se você é o tipo de pai citado no início desse texto, saiba que esses hábitos são o maior crime que você pode estar cometendo com os seus filhos, não só na fase infantil, mas também acarretando problemas para toda a vida adulta. Devemos estar mais próximos dos nossos filhos, nos preocupar com as suas necessidades, incentivar atividades ao ar livre, despertar o interesse pela leitura e o contato social. Se não, estaremos projetando ao mundo crianças com diversos traumas e carências, seja de afeto, medos, timidez excessiva, dificuldades de aprendizado, ansiosas, preguiçosas e desmotivadas.

Precisamos conhecer os nossos filhos, conviver com eles. É difícil dizer “não” ou frustrar alguém que você não tenha intimidade, e por isso cada vez mais temos visto crianças dominando seus pais até que consigam alguma resposta positiva. E o “não” é importante para a educação infantil, as crianças enlouquecem quando o encaram, fazendo birra, chorando e causando aos pais “vergonha pública”, o que acaba resultando em promessas posteriores, sempre em troca de algo, extremamente prejudiciais para o desenvolvimento infantil.

O uso excessivo das tecnologias tira as nossas crianças do convívio com o outro, fazendo com que mergulhem em uma distração sem fim, as removendo do momento presente, dos relacionamentos e do afeto, não preservando momentos fundamentais.

Ou seja, antes de deixar seus filhos tão presos ao mundo virtual, experimente fazer com que eles sintam tédio, e com isso inventem coisas para fazer, estimulando a criatividade. Esse processo de ação é fundamental para uma boa construção de personalidade. Além disso, utilize o seu tempo livre para ingressar nas aventuras do universo tão paralelo que só as crianças têm, aproveitando o tempo em família e descobrindo cada traço da personalidade única deles.

Geralmente, os pais ou professores encaminham a criança para um acompanhamento psicoterápico quando observam algum comportamento não usual que os preocupa, como bater, morder, chutar ou empurrar pessoas, destruir objetos, roubar e mentir em excesso. Mas, a Terapia também pode ser utilizada como forma de prevenção, servindo como forma de orientação para os pais e filhos, proporcionando um momento de contato e estabelecendo um vínculo estruturado para que essa criança possa se desenvolver sem deficiências.

Seus filhos já chegaram em um estágio no qual precisam recorrer a terapia? Identificou neles ou na sua forma de criação o comportamento descrito por este texto e precisa da ajuda de um psicoterapeuta? Entre em contato conosco através desse link para agendar uma Avaliação Gratuita Online ou Presencial com uma Psicóloga em Porto Alegre (Zona Norte ou Zona Sul) para a Terapia Infantil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *