Pessoas sádicas: Como identificar estas personalidades?

Se você conhece alguma pessoa que sente prazer, satisfação quando escuta tragédias, dificuldades, desgraças, gosta muito de histórias de violência, crimes, gosta de machucar os outros, vê-los sofrendo ou sente prazer em magoar, fazer o outro sofrer, você conhece uma pessoa sádica.

Pessoas sádicas não são necessariamente serial killers ou pervertidos sexuais. Personalidades que apresentam algum grau de sadismo estão por toda a parte e esta característica é mais comum do que você pensa.

O sadismo sexual é a forma mais conhecida por nós. Caracteriza-se por utilizar a agressividade, infringir dor ou humilhação no intuito de obter prazer sexual. Alguns parceiros utilizam estes meios para apimentar a relação e aumentar o nível de excitação.

Porém, a característica sádica vai além do âmbito sexual. Ela está ligada a obtenção de prazer emocional ao observar o sofrimento alheio, controlar e possuir poder sobre os outros, o que inclui diversas formas de prática de sadismo como maus tratos a animais, violência doméstica, bullying, abuso militar e policial e a “trollagem”.

Pessoas sádicas que praticam maus tratos a animais apresentam duas formas de fazê-lo. Alguns praticam a crueldade ativa, onde há intenção deliberada de machucar um animal causando-lhe dor e sofrimento, por exemplo, achar graça em colocar sal na lesma, caçar passarinhos por esporte, chutar um cachorro; outros praticam a crueldade passiva, realizando uma negligência intencional, criando sofrimento prolongado como, por exemplo, deixar de alimentar um animal.

Outra forma de praticar o sadismo, a violência doméstica pode ser realizada de forma explícita ou velada, praticada dentro de casa, em ambiente familiar e inclui diversas práticas como abuso sexual, maus tratos e agressão física.

O bullying, prática muito conhecida por nós atualmente, também é uma forma de sadismo. A pessoa que pratica agride intencionalmente, verbal ou fisicamente, outra pessoa ou grupo de pessoas, de modo repetitivo e sistemático. Ela ameaça, oprime, intimida, humilha, maltrata e sente prazer em fazer isso.

Pessoas sádicas podem ter cargos de autoridade e utilizam desse benefício para praticá-lo, com condutas abusivas de poder, uso injusto ou impróprio da autoridade em relação a algo ou alguém, como por exemplo, abuso policial, utilizar um cargo de autoridade para humilhar, agredir as pessoas.

Por fim, a “trollagem” também é uma prática realizada por pessoas sádicas. Consiste em sacanear pessoas que estão em uma conversa na internet com argumentos sem sentido, apenas pelo prazer de zoar, chatear, humilhar as pessoas e perturbar a conversa.

Estas práticas de sadismo auxiliam na identificação deste tipo de personalidade, mas, muitas vezes, a manifestação sádica se esconde atrás de sutilezas no dia a dia. Frases como “ela precisa sofrer para aprender a viver”, “ele precisa entender que só conquistamos as coisas na vida depois de muito sofrimento”, “ele perdeu aquele jogo, bem feito”, “ele tem que pagar pelo que ele fez, deixa sofrer”, indicam pensamentos sádicos em relação aos outros.

Pessoas que possuem o componente de sadismo em sua personalidade são de difícil convivência, porque geralmente não se arrependem ou sentem culpa ao causar sofrimento a alguém. São frias, críticas e apresentam comportamento pejorativo contra as pessoas. Portanto, o sadismo é mais comum do que pensamos e se manifesta em diversas formas no dia a dia.

 

Por Roberta Gomes – Psicóloga da Psicotér


Se você percebe que tem ou conhece alguém que tenha essas características, entre em contato conosco através desse link para agendar uma Avaliação Gratuita para psicoterapia, com um Psicólogo ou Psicóloga em Porto Alegre. Temos a garantia do melhor atendimento e psicólogos de Porto Alegre altamente qualificados.

 

Riscos potenciais do BULLYING E CYBERBULLYING

Desde seu lançamento, em meados de março deste ano, a série 13 Reasons Why (13 razões pelas quais – tradução livre) tornou-se assunto entre adolescentes, pais, escolas, psicólogos e médicos. Trata-se de uma série que aborda o bullying de modo aberto e claro, levando o espectador a experienciar os sentimentos que levaram a personagem principal ao suicídio.

Mais do que falar sobre a série, é importante que se discuta o bullying e, mais atualmente, o cyberbullying. O bullying caracteriza-se por agressões intencionais, verbais ou físicas, feitas de uma pessoa ou um grupo de pessoas para outra pessoa ou grupo de pessoas, de modo repetitivo e sistemático. Entende-se o bullying como agressão, ameaça, opressão, tirania, intimidação, humilhação e até como maltrato.

Ele não se restringe a escolas, podendo acontecer na faculdade, na família, na vizinhança, na igreja e no trabalho. Pode atingir todo mundo, porém, os adolescentes são os que comumente sofrem com o bullying, dada sua inexperiência de vida e de modos de enfrentar seus problemas.

Em época de redes sociais e interações a distância, parece que não existe mais limite para a agressão entre os adolescentes. O que antes terminava com o fim das aulas, do curso, da recreação ou da brincadeira na rua, tem-se estendido para todos os momentos de quem sofre o bullying e tomado proporções muito maiores, dado o fato de que essas agressões, muitas vezes, são compartilhadas nas redes sociais, através de fotos, vídeos, xingamentos, etc., tornando o mundo o lugar em que o adolescente é colocado em situação vexatória. Assim, o bullying, que já fez muitas pessoas sofrerem, tornou-se cyberbullying, e a fraqueza, defeito ou mesmo traços de personalidade do adolescente é compartilhada com todo o mundo.

Dados do Centro Nacional de Estatísticas Educacionais de 2016 mostram que pouco mais de um em cada cinco estudantes já sofreu bullying (20,8%). O mesmo estudo ainda mostrou que somente 36% das crianças que sofrem bullying falam sobre isso com seus pais e pares. Esses dados mostram que para as crianças e os adolescentes este assunto ainda é muito delicado e difícil de ser relatado.

Os principais motivos para uma pessoa sofrer bullying são o modo como se veste, seu tipo físico, ou ainda, a raça. É claro que estes são os principais motivos, porém, outros como a orientação sexual, algum problema cognitivo ou deformidade física, entre outros, podem aparecer. Ainda, muitas pessoas sofrem bullying por serem simplesmente quem são, o que mostra que todo mundo está sujeito a essa situação vexatória.

Quem experimenta uma situação de bullying ou cyberbullying tem duas vezes mais probabilidade de sentir dores de cabeça, dores de estômago e, ainda, tem mais riscos de apresentarem dificuldades no sono, ansiedade e depressão. Outros efeitos do bullying podem ser pobre ajustamento escolar, problemas acadêmicos, uso de substâncias e comportamento violento. Os jovens que se culpam pelo bullying, ainda, estão mais propensos a desenvolver doenças como a depressão, vitimizarem-se e ter problemas de ajustamento social.

Segundo o Guia do Professor – Programa de Prevenção ao Bullying e ao Cyberbullying, alguns jovens vítimas de bullying não demonstram sinais de que estão sendo alvo de chacotas e perseguições, dado o fato de que muitos jovens possuem um perfil comportamental mais introvertido e reservado. Porém, na maioria dos casos, os sintomas de sofrimento podem aparecer, tais como:

  • dificuldades de relacionamento;

  • dificuldades de concentração;

  • queda no rendimento escolar;

  • discurso fatalista – “nada importa”; “eu quero sair daqui”;

  • aumento da introversão – ficam mais reservados, inclusive, em família e entre amigos;

  • preocupações com morte;

  • início do uso ou aumento no consumo de drogas;

  • descuido com a aparência;

  • mudanças na aparência – cortes de cabelo, mudança de cor de cabelo, etc.;

  • ficar mais tempo que o de costume trancado no quarto ou sozinho;

  • sinais de depressão, tais como dormir demais ou de menos; mudanças drásticas no peso;

  • perda de interesse pelo que antes se interessavam;

  • podem agir de maneira hostil;

  • comportamentos de risco ou de autodestruição.

O bullying e o cyberbullying são coisas sérias e podem levar ao suicídio, como aconteceu com a personagem Hannah de 13 Reasons Why. Além disso, o sofrimento, por si só, pode levar o indivíduo à ansiedade, baixa auto-estima e a desenvolver transtornos mentais, tais como Depressão, Transtorno Obsessivo Compulsivo e Fobias.

É importante que todos prestem atenção aos comportamentos, principalmente dos jovens, para que o indivíduo que sofre bullying possa receber ajuda e voltar a ter uma vida normal. O enfrentamento do bullying passa pelo acompanhamento psicológico e, em casos em que a depressão e a ansiedade já estão instalados, faz-se necessário o uso de medicamentos para diminuir os sintomas.

Por Anne Grizza – Psicóloga da Equipe Psicotér


Não deixe a pessoa que você conhece sofrer com isso, é arriscado e extremamente prejudicial. Entre em contato conosco através desse link para agendar uma Avaliação Gratuita para psicoterapia, Online ou Presencial, com um Psicólogo ou Psicóloga em Porto Alegre. Temos a garantia do melhor atendimento e psicólogos de Porto Alegre altamente qualificados.